COLUNISTAS

Dr. Henrique Lobello


Dengue: Informação ainda é o melhor remédio

A dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus, e transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti. É uma doença febril aguda que, em geral, não traz grande risco ao paciente em sua forma clássica, mas que pode se tornar uma doença grave e com risco de vida na sua forma grave ou hemorrágica.

A transmissão ocorre quando o mosquito se alimenta do sangue de uma pessoa infectada e passa a transmitir o vírus para outras pessoas. Por isso uma das maneiras mais eficazes de combate à doença é o controle da proliferação do mosquito e eliminação dos locais onde eles se reproduzem, os chamados criadouros. A água parada e limpa é um dos locais preferidos para o mosquito se reproduzir, por isso devemos estar atentos com caixas d’água, piscinas, vasos de plantas, pneus, garrafas e todos os outros recipientes que podem acumular água da chuva ou da rega das plantas.

O quadro clínico da doença é muito variado, podendo se apresentar como um quadro leve, bem como evoluir para formas graves e que necessitem de atendimento especializado. O paciente apresenta febre, acompanhada de alguns sintomas como dor retroorbitária (atrás dos olhos), dor articular, dor abdominal, cansaço e vômitos.

 Sangramentos na boca, nariz e manchas na pele são sinais de agravamento e devem ser imediatamente atendidos em serviço de saúde. O tratamento é sintomático e o principal foco é manter a hidratação de forma abundante. Com relação ao uso de medicamentos, é fundamental ter em mente que a dengue pode evoluir para quadros de sangramento, portanto medicamentos à base de salicilatos (AAS, antiinflamatórios) não devem ser utilizados, com o risco de agravar o quadro da doença. No Brasil os medicamentos mais indicados para o alívio dos sintomas são o paracetamol e a dipirona sódica, e devem ser prescritos por profissional de saúde habilitado e após criteriosa avaliação do paciente.

É importante lembrar que a dengue é uma doença que depende de todos nós para ser controlada. A eliminação dos criadouros ainda é a medida mais fácil e de baixo custo, e com a cooperação de todos podemos manter o mosquito afastado de nossas casas.

Faça sua parte, além de eliminar os focos do mosquito em sua casa, converse com vizinhos, amigos, parentes e ajude a difundir a informação. E ao apresentar sintomas da doença, procure imediatamente um serviço de saúde. A informação e a prevenção são sempre os melhores remédios.

Por Henrique Lobello